MATÉRIAS

▉ O PONTO DE ENCONTRO DOS CINEMATOGRAFISTAS DO BRASIL ▉

Loading...

domingo, 16 de maio de 2010

TRABALHANDO EM LIVERPOOL

Desde 1996 a Memory Produções Brasil é a escolhida para fazer a cobertura de um dos maiores, senão único, evento beatles do planeta: Beatleweek Festival in Liverpool/UK. Este evento é uma celebração da música e da vida de um dos melhores grupos pop de todos os tempos. Naturalmente só existe um lugar para ser realizado: na sua cidade natal, Liverpool. Durante a semana do evento, que acontece no final de agosto, há visitas feitas por guias, leilões, a convenção anual onde acontecem shows e venda de produtos ligados aos Beatles, tudo num frenesi enlouquecedor em que a cidade mais parece um formigueiro humano.


Granada Television - canal local onde são produzidos programas para a cidade

São mais de 90 bandas do mundo todo que passam 6 dias tocando Beatles, nos 4 cantos da cidade, à partir das 8 da manhã até as 10 da noite. A Memory Brasil acompanha todos os passos da banda capixaba Clube Big Beatles onde, ao retornar ao Brasil, gera um DVD ao vivo de sua tourné. São dias muito loucos, onde acordamos muito cedo, engolimos a comida, corremos muito e trabalhamos demais. Nossa equipe de filmagem vai com 2 pessoas, bem enxuta e afinada, disposta a gravar os 6 shows que a banda faz pela cidade. Mas não nos damos ao luxo de ser apenas cinegrafistas. Somos roudie, distribuidores de planfleto, carregadores de equipamentos e mais um pouquinho. A equipe brasileira é a mais organizada do festival. Inacreditavelmente a banda é a única que possui em seu staff fotógrafo, cinegrafistas, jornalista além de tecnicos de som.


Gravando entrevista após o show da banda brasileira

Um dos momentos mais especiais é quando gravamos no Cavern Club, templo sagrado do quarteto onde a história da música mundial começou a mudar. São 3 lances de andares subterrâneos para se chegar ao palco. Um lugar pequeno, apertado e abafado. Como chegamos cedo para a apresentação, a temperatura do Cavern está em torno dos 25 graus. Com a chegada do público que super-lota o local, a temperatura sobe para uns 50 graus, e é comum nossa câmera sofrer um choque térmico e embaçar tudo, desligando-se automaticamente. Isso acontece como uma proteção automática que o equipamento tem. Com a condensação de água no circuito interno, ela se desliga para não queimar. E não adianta ficar tentando ligar, ela se religa assim que toda a sua mecânica se adequar a temperatura ambiente. Aí os nervos vão à flor da pele, já que posicionamos uma câmera no palco e outra no meio do público e nada pode dar errado.


Literalmente "no osso". É bom gravar no exterior, mas cansa demais.

Mas nem tudo é só rockin'roll. Quando saímos para fazer externas da cidade há uma limpeza mental pois por algumas horas deixamos de ouvir Beatles bombardeando nos ouvidos. Assim saímos colhendo cenas bucólicas de Liverpool, praças, museus, pessoas, curiosidades e por aí vai. Um dos lugares que todo beatlemaníaco deve visitar é o Beatle Story, um museu temático onde vários instrumentos originais do grupo estão em exposição. Até George, Ringo, John e Paul são retratados em bonecos de cera de tamanho original. O registro de imagens é proibido mas como estávamos cobrindo para uma televisão brasileira, fomos autorizados a gravar internamente.


Beatles de cera no museu em Liverpool. Réplica quase perfeita. reparem que os dois bonecos à esquerda parecem estar olhando para a câmera.

O lugar é incrível. Cada cantinho representa uma fase da banda. Ao entrar no museu começamos pelo início da trajetória dos rapazes, com imagens raras de seus primeiros shows no Cavern, na Alemanha, uma réplica do interior de um avião que eles usavam para suas viagens, o ambiente Sargent Peppers, guitarras, piano, roupas, discos, uma alucinação total para os fãs de todo o mundo.


Sargent Peppers Lonely Hearts Club band. A capa do disco retratada em maquete

Para a gravação do DVD da Banda Clube Big Beatles usei a receita de gravação de show postada aqui no blog. Chegamos cedo ao Cavern para gravar a banda sem público. Uma câmera de frente para o palco e outra no palco. Cada música era gravada duas vezes sem público e no show com público mais uma vez. Então na hora de editarmos, tínhamos imagens correspondentes a 6 câmeras por música. Muitas imagens, vários ângulos, tudo agrupado com cenas da cidade, entrevistas do público, bastidores...
Foi incrível encontrar um grupo de paulistas pois estávamos perguntando em inglês e, obviamente, eles estavam respondendo em inglês. Só que um dos entrevistados errou o inglês e em bom português gesticulou dizendo, volta, volta. Rimos demais e descobrimos nossas mesmas origens.


Gravando depoimento na porta do hotel Adelph, local da grande convenção.

Sensação de segurança. Como é bom sentir isso. Afinal você teria coragem de desfilar com um equipamento de filmagens altas horas da noite, por becos escuros, pelas ruas de qualquer cidade do Brasil? Em Liverpool o povo nem te olha. Nunca ví ninguém ser assaltado. É comum vermos jovens sentados em bancos de praça e na grama com notebooks na maior tranquilidade. A polícia inglesa é uma das poucas que não usa armas letais. Apenas cassetetes, algemas e gás. São extremamente simpáticos com os turistas mas ao menor movimemento de confusão, baixam o cassete no bagunceiro. É comum vermos muita briga de jovens. A bebida é um mal dos ingleses e, bêbados, criam confusão entre eles e a porrada come solta. Diferente do Brasil onde a vagabundagem não é macho pois andam armados e atiram à toa, lá a rapaziada sai na mão mesmo. É a primitiva forma de se defender. Enfiando porrada como uma autêntica luta livre. E é aí que a polícia inglesa entra em ação.


Polícia inglesa, sempre presente, sem armas e com muita simpatia. Falou em Brasil, eles dizem: Ronaldo, Pelé!!!

Nesta época do ano o clima na cidade é muito agradável. À noite temos uns 20 graus e ao dia chega a uns 33 graus. Dá pra usar manga curta ou longa que fica sempre tudo bem. Por incrível que possa parecer, gravamos o evento com as Panasonic AG DVC60, uma delas usando uma super wide angle que deu um impacto fantástico as imagens de pontos turísticos da cidade. E como estas câmeras tem a documentação de saida e entrada do país, é com elas que viajamos. São amigas inseparáveis onde quer que vamos, acomodadas nas nossas mochilas de paraquedistas.


Super Wide Angle. Essa lente deixa monumentos e estruturas com uma imagem sensacional

Nas fotos que se seguem você poderá conhecer um pouco da cidade, do nosso trabalho e de momentos especiais que passamos uma vez por ano no país da Rainha Elizabeth. Tudo isso fruto de um trabalho apaixonante que nos permite conhecer celebridades, pessoas comuns, ícones mundiais, viajar por vários países e nos lançar ao status de cinegrafista internacional, vaga pra poucos, mas sempre aberta para quem tem o sonho como primeiro degrau para tudo se transformar em realidade.
Você pode!



O templo sagrado dos Beatles: The Cavern Club, onde tudo começou


Cenas de Liverpool. Albert Dock, de porto abandonado a ponto turístico classe A

Capital mundial da cultura, Liverpool é uma cidade grande com ares de interior

Típico cavalo inglês que puxa charretes. Foi a partir da posição do cocheiro sentar (do lado direito) que o lado do motorista ficou eternizado nos automóveis


Torre da Rádio Cidade de Liverpool, visual privilegiado. Na entrevista, homem que já foi segurança de John Lennon


Os caras e eu. Banda Clube Big Beatles, de Vitória/ES para o mundo.


Catedral anglicana de Liverpool. A mais antiga de todo o Reino Unido



O fundo de palco do lendário Cavern Club. Eu filmei ali


Porta do Cavern com um dos seguranças na porta. O terceiro lugar mais fotografado do reino Unido. Só perde para o Big Ben e para a Ponte de Londres. Eu fotografei ali.


...

● Quem está aqui agora

● Estamos chegando a 2 milhões de acessos!

Twitter Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Download from Blog Template