MATÉRIAS

▉ O PONTO DE ENCONTRO DOS CINEMATOGRAFISTAS DO BRASIL ▉

Loading...

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

FILMANDO NA INGLATERRA


Acompanho há mais de 14 anos um dos maiores eventos em homenagem aos Beatles. Aliás, o maior evento do planeta: Festival Beatle Week in Liverpool/UK. Como todos os anos, a expectativa de tudo dar certo é o que mais me faz tremer, pois não posso esquecer de nenhum detalhe em uma cobertura deste tamanho. Principalmente porque em terras estrangeiras, o socorro pode não ser tão eficiente quanto o de nossa terrinha. E o compromisso de gravar, editar e enviar as matérias para os telejornais brasileiros em datas e horas marcadas, motivo maior que me leva todos os anos a cobrir este evento. Em 2001, dias antes das torres gêmeas serem atacadas, minha cobertura foi para a TV Globo local. E nessa época a maior dificuldade era de se ter notebook bom de edição e conexão rápida de internet para envio das matérias. Já agora, em 2012, minha cobertura foi para a Record Internacional, com 3 matérias a serem geradas, e uma local, para o SBT de Vitória/ES.


Minha primeira parada: Madrid, num calor de 35 graus.

Lembro aos viajantes que irão sair com seus equipamentos importados para outros países, de que atualmente a Receita Federal não faz mais o controle de saída e entrada de equipamentos. Caso você seja parado na volta com bagagem à declarar, deve apresentar a nota fiscal dos equipamentos, ou sinais de uso dos mesmos. Senão corre o risco de ter que pagar impostos sobre algo que já é seu.

Saí de São Paulo rumo à Madrid em 21 de agosto, numa viagem de 11 horas de duração. Ao chegar em Madrid, aproveitei para conhecer a megalópole e seus principais pontos turísticos. Madrid estava infernal, com termômetros alcançando os 35 graus. Sem vento, com ar seco.
5 horas depois embarquei para Liverpool, rumo ao aeroporto John Lennon. Em todos os aeroportos europeus, a devassa pessoal é imensa, com bagagem sendo revistada, minha câmera e laptop sendo tirados de minha mochila e, quase em uma vistoria dessas, perdia minhas 10 baterias originais Sony. Segundo a policial, baterias não são permitidas em bagagem de mão pois podem ser usadas como detonadores. Ainda bem que pude provar que era repórter cinematográfico. Comigo estavam uma repórter e uma produtora. Ufa.


Camarim do Cavern Club em Liverpool. Quente de fazer a câmera embaçar.
Já em terras da rainha, me dirigi a um confortável flat para montar o QG de produção. Cedo, no outro dia, começariam os eventos e a correria das gravações. E exatamente no dia de gravar a homenagem que os ingleses fariam a Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura, que nos acompanhou em viagem, meu microfone Sennheiser, wireless, com canopla da Record, simplesmente não funcionou. Tentei de tudo. Resetar a memória, fazer scan de freqüência, receber auxilio de uma equipe de TV local, e nada. Compro o melhor, o mais caro, e quando mais preciso, não funciona. Graças a Deus, em viagens assim, prevejo o pior e levo desde ferro de solda até cabo de microfone. E foi o cabo que me salvou. Retirei o microfone da câmera e trabalhei "na coleira", com minha repórter. E tudo deu certo. Imagem editada e enviada ao Brasil.


Microfone Sennheiser que literalmente me deixou "na podre".
Durante a gravação dos shows, apenas com uma câmera, tinha que fazer o melhor. Para isso usei de meu conhecimento em eventos. Definia quais as musicas que eu deveria gravar inteira e me posicionava no centro da platéia. As restantes, eu buscava detalhes de palco, com closes de instrumentos, da banda, muito público e movimentação de bastidores. Desta forma eu tinha em mãos material suficiente para produzir um clipe completo e ainda imagens para cobrir as sonoras das matérias jornalísticas. Como a cobertura foi para TV, levei uma filmadora Sony NX5 que me daria uma garantia de boa captação de áudio nos eventos. Mesmo assim levei ainda um gravador de áudio Olympus LS-5 para captar o som geral. O gravador deu um banho de qualidade a um baixo custo de investimento. Custou U$ 199. Configurei-o para gravar continuamente, com noise reduction e em mp3 com taxas de 128 Kbps. Ficou perfeito. Levei um monopé de 30 reais comprado no Mercado Livre e a nossa produtora ficou responsável de ficar em frente as caixas para gravar o áudio. Usei ainda um cartão SDHC de 8Gb, mas o Olympus possui memória interna de 2Gb, nem precisava de cartão.


Gravador Olympus LS-10 e Kodak Zi8. Back ups nas mãos de nossa produtora

Já para estabilizar as imagens e ser prático para transportar, optei por um monopé Manfrotto, modelo 561 BHDV, com o tradicional pé de galinha. Me deu um conforto de operação com a cabeça hidráulica e com a altura que ele me proporcionava, pois podia suspender a câmera acima da cabeça do público. Em alguns momentos o monopé me serviu de steadicam. Eu equilibrava o peso da câmera no seu centro de gravidade e suspendia com uma mão e começava a andar. O resultado foi excelente. Em outros momentos, como na gravação no lendário Cavern Club, onde não se pode tirar o pé do chão pois outro pé toma seu espaço, o monopé serviu para as tomadas altas e o giro no próprio eixo.

Trabalhando com monopé Manfrotto (em primeiro plano na frente do telão)
Falando em Cavern Club, o night club mais famoso dos Beatles, onde os Beatles, antes de se tornarem famosos, começaram exatamente a tocar neste buraco. Literalmente um buraco. São 4 andares de subsolo em escada de degraus, onde se sai de uma rua à noite, em torno dos 17 graus e se penetra numa toca à uns 40 graus de vapor humano. Abafado, úmido e com cheiro de álcool e mofo. Fatal para os cinegrafistas e fotógrafos desavisados que vão gravar lá dentro. Se começar a operar o equipamento tão logo chegue da rua, simplesmente a câmera condensa, se molha completamente e, se ela não tiver dispositivo de desligamento automático, vai queimar seus circuitos internos. A lente é a primeira a embaçar totalmente, sem direito de limpeza com uma flanela. A única solução é chegar ao local com uma hora de antecedência e deixar a câmera se aclimatar ao ambiente. E só depois disso ligá-la para a gravação. Antes disso é correr risco de não gravar nada e ainda queimá-la. Foi isso que aconteceu com uma equipe de TV brasileira. Chegaram no meio do evento com a câmera ligada e o vapor tomou conta da filmadora. Não conseguiram gravar.

Exemplo de como uma lente fica em mudanças bruscas de temperatura
Outro desafio foi a decisão de que ilha levar para fazer as edições, em full HD, converter para o formato de TV e ainda gerar as imagens para as emissoras. Ah, e sem ter que gastar horrores com uma plataforma Mac. E nossa decisão foi comprar um notebook DELL, modelo Inspiron 14R, 3ª Geração do Processador Intel Core™ i5-3210M (2.5GHz até 3.1GHz com Intel Turbo Boost 2.0, 4 Threads, 3Mb Cache), Windows 7 Ultimate 64-Bit com Adobe Premiere CS5, Tela LED HD,  6 GB de SDRAM DDR3 a 1600 MHz, Disco Rígido 1TB, SATA (5400 RPM), Gravador de DVD/CD Dual Layer e Placa de Vídeo Dedicada Nvidia GeForce GT 630M 128-bit 1GB. E ainda um HD externo Toshiba USB 3.0 de 1Tb para back up dos arquivos. Tudo custou R$ 2.500,00. E o pequeno notebook deu conta do recado, sem travamentos, sem paus e com uma velocidade razoável de tempo de render. Gostei tanto que já adquiri mais 2 DELL para atender a demanda crescente da produtora e termos ilhas de edições portáteis que poderão acompanhar os trabalhos externos.

Estação DELL com i5 Geração 3. Não fez feio, aliás, surpreendeu
Repórter da Record Internacional e eu, correndo para preparar matéria, editar e gerar.
E assim foi mais uma empreitada na terra dos Beatles. 7 dias de corre-corre, cobertura de 9 shows, gravação, edição e geração de 4 matérias e retorno ao Brasil. E convivendo de perto com um astro internacional do Heavy Metal: Andreas Kisser, baterista do Sepultura.

EQUIPAMENTOS QUE FORAM UTILIZADOS

01 filmadora Sony NX5 (www.bhvideo.com.br)
01 LED HDV Z96 (www.lucaslapa.com.br)
01 HD Toshiba Canvio USB 3.0 (Mercado Livre)
01 Monopé Manfrotto 561 BHDV (Fábio Burini Eq. Fotográficos)
01 gravador Olympus LS-10
01 Filmadora Kodak Zi8 c/ Grande angular
01 microfone Sennheiser G3 100 (não funcionou)
01 Notebook DELL Inspiron 14R i5 (www.dell.com.br)


No ano que vem tem mais. Manterei vocês informados.
Grande abraço.

Matéria de TV que foi ao ar no Jornal da Record

● Quem está aqui agora

● Estamos chegando a 2 milhões de acessos!

Twitter Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Download from Blog Template